Unconventional

Paris Inverno 2012

Bom alguns dias de férias, deixei o blog meio de lado, e acabei não cobrindo a semana de moda de Paris todos os dias. Mas quero fazer um breve resumo dos principais desfiles dos últimos dias da semana de moda, portanto acompanhem.

Christian Dior

 

A glamurosa marca Dior fez seu desfile com uma polêmica. A demissão de John Galliano do cargo de diretor criativo da grife, preso após agredir verbalmente um casal com palavras antissemitas. O primeiro desfile da grife após 15 anos de Galliano começou com um discurso do presidente da marca, Sidney Toledano “Foi doloroso ver o nome da Dior associado a afirmações vergonhosas atribuídas a seu estilista, não importa o quão brilhante ele seja”.

Mas vamos ao desfile, que por sinal estava maravilhoso. Karlie Kloss abriu o desfile usando uma capa longa, botas de salto e cano altíssimo e chapéu. O restante do desfile seguiu com o mix de materiais, influências e estilos que Galliano sempre soube fazer tão bem. Muitas peles e volumosas saias marcaram a primeira série de looks. A combinação de chapéu com óculos redondo deixou algumas meninas com cara de 60. Logo depois apareceram os vestidos com tecidos e tonalidades mais delicadas, muitos babados e alguns florais. A apresentação foi encerrada com uma série de longos delicados e vaporosos.

Ao final do desfile, a equipe de estilo e de costureiros da maison surgiu na passarela, todos vestidos de branco. Eles receberam os aplausos de pé de uma comovida plateia, que com certeza lamenta a saída de um estilista tão talentoso por motivos tão constrangedores.

 

Vivienne Westwood

Grande dama do punk britânico, Vivienne Westwood criou uma perturbadora maquiagem para seu desfile de inverno 2012. A apresentação começou com uma série de looks na alfaiataria que Vivianne sabe fazer tão bem. Apareceram casacos, conjuntos em rica-de-giz, blazers e golas com babados. Brocados foram usados em peças inteiras, em detalhes e até em alguns modelos de botas. O brilho dourado foi elemento central da coleção, aparecendo em tecidos metalizados, sapatos, meias com lurex e looks repletos de paetês. Algumas peças traziam a frase “Trees save lives” (“árvores salvam vidas”), manifestando o engajamento ecológico que a estilista vem mostrando nos últimos anos. Fechando o desfile, uma noiva punk com direito a buquê e saia volumosa.

 

Pedro Lourenço

Do animal vieram as peles, aplicadas em casacos e formando reveladoras blusas, e o couro, uma das marcas registradas de Pedro. Do feminino vieram a transparência e os tecidos delicados. Em seu terceiro desfile em Paris, o filho de Gloria Coelho e Reinaldo Lourenço vem se afirmando como uma das grandes apostas da moda, apesar de ter apenas 20 anos.

 

Cacharel

Os primeiros looks do desfile, em tons neutros de bege e cinza, parecem telas de quadros que receberam uma pintura ainda inacabada. Aos poucos, os florais vão tomando conta das peças. Macacões, conjuntos de blusa e calça cropped, casacos, vestidos e saias aparecem com delicados desenhos. As flores somem na metade do desfile, dando lugar a modelos lisos em tons neutros, mas voltam com fôlego na reta final, em novas estampas com fundo marinho.

 

Jean Paul Gaultier

 

Gaultier saiu de um jovem verão rock n’roll e foi para um inverno requintado, voltado paras as finas senhoras da alta sociedade. Como convidada especial, a atriz francesa Valerie Lemercier, de 46 anos, abriu e fechou o desfile, que contou com muitas camisas femininas e uma alfaiataria de corte impecável. Usando perucas grisalhas, as modelos caminhavam com olhar provocador, forjando um strip tease. Luvas, cintos e casacos eram tirados e jogados no chão da passarela. Habilmente disfarçado com um casaco de matelassê preto com pele na gola e na barra, o modelo andrógino Andrej Pejic fez parte do elegante grupo. Apesar de contar com ótimas peças, a coleção mostrou algumas ideias ultrapassadas, como a estola de raposa usada por Alice Weber que, em tempos ecologicamente corretos, não pega nada bem.

 

Costume National

Em meio a desfiles suntuosos e ao luxo característico da semana de moda de Paris, o estilista italiano Ennio Capasa mostrou sua coleção despretensiosa e fácil de vestir no desfile da Costume National. Ennio, que fundou a grife em 1986, começou a apresentação com modelos em preto e branco. Azul, vermelho e amarelo surgiram em seguida, em looks jovens e alegres. Destaque para as boas opções de casacos, que com certeza deixarão mais alegres os dias frios de inverno.

 

Hermès

A coleção de inverno 2012 marcou a estreia de Christophe Lemaire no comando da Hermès. O estilista, que já passou pelas equipes da Lacoste, Christian Lacroix e Yves Saint Laurent, ganhou uma grande responsabilidade ao substituir Jean Paul Gaultier.

O desfile começou com looks minimalistas em marfim e foi ganhando cor: camelo, marrom, cinza, preto e toques de vermelho e verde. Insiprando-se na caça, Lemaire apresentou verdadeiras caçadoras, com direito a capa, arco e flecha. O destaque ficou para a brasileira Daiane Conterato, que desfilou com um falcão vivo apoiado no braço. Os famosos lenços da grife deram origem a vestidos, alguns com estampas indígenas. Em um exercício mais ousado, botas e calças foram transformadas em uma só peça.

 

John Galliano

O estilista, famoso por realizar desfiles suntosos com sua alegre presença na hora dos agradecimentos, desta vez nem compareceu ao pequeno evento que foi organizado para mostrar a coleção de inverno 2012.

Delicados longos florais, transparências, brilhos e muitos tecidos vaporosos exalaram a feminilidade que só Galliano consegue produzir tão bem. O lindo modelo verde desfilado pela brasileira Vivi Orth seria uma bela opção para o tapete vermelho, se alguma estrela ousasse vestir uma criação do estilista. Os tailleurs e conjuntos de inverno vieram com cara de anos 1940, lembrando, em uma estranha coincidência, os trajes das parisienses nos tempos da invasão nazista.

 

Kenzo

Florais e estampas cashmere apareceram em longas saias e vestidos de tecido leve. O efeito às vezes foi de um patchwork. O belo trabalho de malharia resultou em maxisuéteres de pontos largos. Peles também foram usadas em coletes, bolsas e até em detalhes de alguns sapatos. A discreta cartela da cores contou com vinho, preto e muitas variações de tons terrosos.

 

Givenchy

A coleção contou com muito preto, tanto nos tecidos quanto nas estampas de panteras, que vieram em jaquetas, blusas e saias repletas de transparências. Outra estampa que permeou a coleção foi a de orquídeas. Correntes apareceram nos punhos e golas de esportivas jaquetas, tailleurs e suéteres. Até a legendária pin-up Bettie Page deu às caras em algumas peças. Riccardo Tisci vem sendo citado por muitos jornalistas e blogueiros como o mais provável substituto de John Galliano na Dior. Se os boatos se concretizarem, teremos uma Dior mais ousada e bem menos clássica nas próximas temporadas.

 

Stella McCartney

Stella McCartney abriu seu desfile com uma nova proposta de silhueta: vestidos e blusas vieram com um volume ao longo das mangas que começa no ombro e acaba no punho. A renomada alfaiataria da estilista britânica apareceu mais masculina do que nunca, com ombros exagerados em paletós de formas retas e amplas que exigirão consumidoras corajosas. Stella investiu nos poás, alinhados a transparências em reveladoras peças. Os três últimos looks do desfile, marcados por recortes sinuosos, são uma boa pedida para o público mais sensual da estilista.

 

Chloé

Seja em estampas, seja com o couro verdadeiro da cobra, a píton apareceu em quase tudo no desfile da marca: em vestidos vaporosos, camisas, malhas, bolsas, pantalonas, jaquetas, casacos e até em alguns sapatos. A coleção ainda contou com boas pantalonas de couro e com um alegre poncho feito de blocos de cor.

 

Yves Saint Laurent

A apresentação abriu com uma série impecável de alfaiataria em xadrez Príncipe de Gales com ares de anos 60. Minissaias, blazers de corte feminino, camisas e capas: tudo com um apelo altamente vendável. A cartela de cores veio neutra, com muito branco, cinza, preto e leves toques de azul e do roxo característico de Saint Laurent. Destaque para os sapatos: mocassins, oxfords e sandálias, todos com um alto salto anabela. Fechando o desfile, uma bonita série de vestidos e conjuntos em looks total branco.

 

Chanel

Karl Lagerfeld gosta de imaginar catástrofes naturais quando cria suas coleções de inverno. No ano passado ele colocou um iceberg gigante no centro da apresentação, lembrando os perigos do aquecimento global. Agora o estilista transformou o Grand Palais em um cenário apocalíptico, com direito a fumaça, carvão e pedras espalhadas como se um vulcão acabasse de entrar em erupção. Nos looks, o foco foi nas sobreposições. Os clássicos tailleurs apareceram sobre blazers. Calças jeans skinny de aparência desgastada foram usadas com conjuntos de casaco e minissaia. Outra calça que marcou a coleção foi um folgado modelo de alfaiataria, que veio ora com a barra displicentemente dobrada, ora com um comprimento que causava volume no tornozelo. A sombria cartela de cores combinou com a atmosfera apocalíptica: preto, cinza, marinho e marfim com leves toques de vermelho e verde. Quebrando o peso da coleção, alguns vestidos de tecido vaporoso e modelagem à la década de 1920 e inusitados longos de malha, como o modelo que a brasileira Aline Weber desfilou.

 

Valentino

Os estilistas Maria Grazia Chiuri e Pier Paolo Piccioli trocaram o famoso vermelho Valentino (que não apareceu em nenhum look desta coleção) pelos tons de nude, areia e rosa antigo. Novas cores, entretanto, apareceram nesta temporada: marinho e nuances de verde. O inverno 2012 veio romântico e delicado como de costume nos últimos desfiles da grife: transparências, laços, rendas, plissados, bordados e florais. A feminina silhueta teve cintura marcada e comprimento acima dos joelhos.

 

Alexander McQueen

Sarah Burton trouxe na sua segunda coleção para a grife lindos modelos brancos, delicados porém opulentos, dignos de uma rainha. Mas, tratando-se de McQueen, não poderia faltar um pouco de transgressão: ela apareceu nas coleiras e acessórios de couro preto com ares fetichistas e nos loucos sapatos, com altas plataformas e saltos anabela ricamente trabalhados.

 

Louis Vuitton

Marc Jacobs reproduziu o cenário de um antigo hotel, com direito a porteiros e elevadores, para o desfile de inverno 2012 da Louis Vuitton. Só que o Grand Hotel da Vuitton veio repleto de arrumadeiras fetichistas, que usavam blusas e vestidos transparentes, cintos em forma de corset e até algemas presas às desejadas bolsas da grife. Os casacos tinham um ar militar, que foi acentuado pelos quepes e pelas galochas de borracha com altas plataformas. As “funcionárias” do Hotel da Vuitton também vestiram calças de comprimento abaixo do joelho, vestidos de renda emborrachada, hot pants e pele de carneiro da Mongólia. Na lista de hóspedes especiais estavam as tops Naomi Campbell, Amber Valletta, Carolyn Murphy e Kate Moss, que fechou o desfile fumando um cigarro.

 

Por: T.C

Anúncios
Este post foi publicado em 12/03/2011 às 2:03 am. Ele está arquivado em Paris Fashion Week, Semanas de moda/ Desfiles e marcado , , , . Guarde o link permanente. Seguir quaisquer comentários aqui com o feed RSS para este post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: